Friday, October 14, 2005

Já não aguento mais a polêmica sobre o referendo do desarmamento. Na minha humilde opinião de expatriada que graças a Zeus, Odin e toda a patota, não tem que votar nisso, esse referendo é um curativo numa perna de pau, como tão bem dizem os froggies. Coisa mais inútil, desperdício de dinheiro público e de energia, que podiam estar sendo usados em algo melhor. Mas isso seria uma mudança tão radical na esfera política brasileira que se acontecesse, eu ia pra janela ver os Quatro Cavaleiros do Apocalipse chegando.

O que me incomoda mais é o fato do voto ser obrigatório. Isso não me chocava quando eu morava no Brasil. Afinal, faz tão pouco tempo que votamos! e se não fosse obrigatório, ninguém votava, e bla bla bla. Só que aí fui formando outra opinião: votar é direito, não é dever, e direito implica que posso optar. E os brasileiros não podem optar. Têm que ir dar seu pitaco mesmo que sejam profundamente contra a questão, como já vi tanta gente boa dizendo. E agora entendo porque ser obrigado a votar tem muito mais cara de falta de liberdade do que de direito do cidadão.

Aqui na França votar é um direito. Quem não quiser votar não vota e daí, pela abstenção, o governo pode medir o nível de descontentamento das pessoas. Já no Brasil, ninguém nem pode mostrar seu descontentamento não votando. Tem sempre que votar no "menos pior".

Que assunto mais detestável.

3 comments:

Anonymous said...

DVD Precedes Kong Release
In a novel approach, Universal Pictures will release a DVD documenting the making of its upcoming King Kong movie a day before the film hits theaters, the Reuters news service reported.
Find out how you can buy and sell anything, like things related to private road construction on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like private road construction!

Celinho said...

Concordo tatalmente com a inutilidade do referendo, como se estivessemos discutindo se a venda de bolachas é responsavel pelo aumento de casos de obesidade. Nao da pra comparar armas e bolachas, mas o que recrimino nao é a discussao, mas sim a realizaçao de um referendo como quem joga a responsabilidade para as pessoas. Independente do resultado do referendo, é um risco que depois digam: a população escolheu. A violencia tbm é culpa delas a partir de agora. Enquanto isso, discutimos o SIM e o NAO como se escolhessemos entre batatas ou arroz no jantar...
Escrevi aqui quase um post..lol Beijos e mais beijos=)

Aline said...

A única coisa que dá pra fazer nesse caso é anular o voto...